Justiça fixa multa para condomínio em Goiânia que permitir entrada de ofensor de ex-companheira

justiça determinou, durante plantão judiciário, medidas protetivas de urgência requeridas por uma condômina vítima de um ex-companheiro para multar um condomínio em Goiânia, caso permita acesso do ofensor à residência dela. A decisão é do juiz Wilson da Silva Dias, titular da Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas da comarca da capital.

Caso haja descumprimento, o condomínio residencial receberá multa diária de R$ 5 mil. A penalidade, de ofícil, é uma decisão inédita colocada contra um não participante do processo – o condomínio.

Segundo apontado pela defesa no processo, a mulher se relacionou com o ofensor por seis anos e eles tiveram um filho menor. Separados há cerca de quatro meses, o ex-companheiro não aceitou a situação e passou a persegui-la, além de cometer injúrias e ameaças de morte.

Inclusive, no último sábado (2), o homem foi a casa da vítima, que estava com amigas, e entrou com uma chave extra, dizendo que não aceitava ninguém no local. Durante a discussão, ele começou a ofender a vítima com palavras de baixo calão e ameaças de morte se ela levasse algum homem ao apartamento.

Ainda segundo os autos, na segunda-feira (4) o ofensor retornou. Ele entrou no estacionamento do condomínio e furtou uma cadeirinha de criança que estava no carro da vítima e o controle remoto que abre o portão. Na ocasião, ele foi filmado.

Decisão da justiça

Desta forma, no entendimento do magistrado, “restou demonstrado que o ofensor está com uma chave extra do apartamento da ofendida, inclusive do controle remoto que dá acesso à sua residência, sendo certo que à administração condominial é terceira legitimada para promover o controle de entrada e saída de pessoas e coisas, o que, mutatis mutandis, o coloca na posição de terceira interessada a fazer cumprir o comando judicial e combate de violência doméstica que não diz respeito a um indivíduo em si, mas a toda coletividade, especialmente quando várias famílias residem no mesmo local com interesse em comum de copropriedade pretendem ver, não apenas uma casa, mas um lar de paz e tranquilidade que a todos interessam”.

Apesar de entender ser direito dos condôminos usar, fruir e dispor livremente de suas respectivas unidades, o juiz ressaltou que a lei garante o dever de não utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, bem como os bons costumes. Além disso, uma vez que o ofensor não reside no local, ele não teria direito de usar como bem entende o local de moradia da vítima.

Sobre a mula, o juiz Wilson adotou jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele lembrou que “é possível a fixação de astreintes em desfavor de terceiros, não participantes do processo, pela demora ou não cumprimento de ordem emanada do Juízo Criminal”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s