Goiás tem investimento de R$ 12 mi em tecnologia de inteligência artificial

Com investimentos próprios e também via parcerias, o estado de Goiás irá investir R$ 12 milhões em tecnologia de inteligência artificial. Este avanço nesta área é através de um elo do Centro de Excelência em Inteligência Artificial (Ceia), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), a Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (Sedi) e a Universidade Federal de Goiás (UFG)/Instituto de Informática.

De acordo com o governo de Goiás, o objetivos dos projetos é para acompanhar e fiscalizar para evitar evasão de receita, identificação de placas veiculares e reconhecimento de imagem utilizado pela Secretaria de Segurança Pública. O Ceia também desenvolveu projetos para a indústria agro no lançamento da rede de internet 5G, em Rio Verde.


“A inteligência artificial talvez seja a tecnologia mais disruptiva, no sentido de maior transformação da nossa sociedade, maior impacto no nosso dia a dia”, resume o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

A mais recente entrega do Ceia para o Governo de Goiás foi o chatbot da plataforma Expresso. Depois de concluído o produto, o Ceia fez a transferência de conhecimento sobre os processos do software que simula conversa humana do Expresso para a Secretaria de Desenvolvimento e Inovação, por meio do Laboratório de Inovação Goiás (Ligo).Advertisement

O Expresso foi lançado em maio deste ano. A plataforma oferece serviços em mais de 18 categorias, envolvendo agricultura e pecuária, assistência social, ciência e tecnologia, comunicação e transparência, cultura, educação, empreendedorismo, indústria e comércio, esportes, finanças e impostos, infraestrutura e habitação, justiça, meio ambiente, saúde, segurança pública, transporte, turismo, trabalho, emprego e previdência, veículos e condutores. O objetivo é garantir isonomia, inclusão e aumento na capilaridade da prestação de serviços públicos.


Outro fruto da parceria com o governo estadual foi o chatbot para atendimento a pessoas com suspeita de Covid-19, que evitou milhares de comparecimentos físicos desnecessários a unidades de saúde. Mais uma solução com inteligência artificial encontrada por pesquisadores do Ceia foi a correção automática de redação que possibilita aos alunos da rede estadual de educação um resultado instantâneo e preciso, tecnologia que também despertou interesse de outros dois estados da federação.

A meta do Ceia é ser, até o ano de 2025, de acordo com o governo, um dos principais centros de inteligência artificial na geração de tecnologias de impactos positivos para o Brasil, utilizando técnicas de conhecimentos de inteligência artificial e tecnologias exponenciais nas mais diversas aplicações, amparado por pesquisas aplicadas desenvolvidas pela academia.

O Ceia, antigo Deeplearning Brasil da UFG, já possuía clientes e uma estrutura que vem sendo continuada visando aprimorar os serviços avançados.


“A Fapeg veio para escalar, permitir mais crescimento e inserir mais rapidamente o conceito de inteligência artificial nas vidas das pessoas. Ainda não é possível avaliar amplamente o impacto dessa política pública desenvolvida em Goiás, que é preparar a sociedade goiana para os avanços da inteligência artificial. Acreditamos que fizemos o investimento no momento correto e lideraremos algumas iniciativas nacionalmente”, comenta o presidente da Fapeg, Robson Domingos Vieira.

À frente do Ceia, o professor doutor Anderson Soares, da UFG, foi indicado recentemente pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para integrar, nos próximos dois anos, junto com outros cinco pesquisadores brasileiros, o Comitê de Governança de Dados da Aliança Global de Inteligência Artificial, uma ação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“Nos últimos anos temos conseguido o feito de gerar ciência e soluções (produto) ao mesmo tempo. Uma das grandes motivações do acordo com a Fapeg foi estabelecer uma via de mão dupla. Conhecer desafios enfrentados pelo governo, desafios que inspiram o desenvolvimento da ciência e ao mesmo tempo mostrar como a ciência também é capaz de resolver problemas no curto prazo”, explica o coordenador executivo do Ceia e professor do Instituto de Informática da UFG.

Além do Governo, os maiores parceiros e investidores do Ceia do setor privado são a Copel Energia (Paraná), Cyberlabs (Rio de Janeiro), Americas Health (Goiás), iFood (São Paulo) e Data-H (São Paulo).

“Nós desenvolvemos projetos com a iniciativa privada desde 2013 e estávamos mantendo um bom ritmo de crescimento ao longo dos anos. O desafio que nos foi colocado pela Fapeg foi acelerar este crescimento com recursos para infraestrutura e aumento do capital humano de pesquisa. E deu muito certo. Nós captamos mais recursos em 2020 do que o valor somado de todos os anos anteriores em um verdadeiro crescimento exponencial. E as perspectivas para 2021 são ainda melhores. Além do investimento em recursos, a Fapeg nos ajudou com estratégias que se mostraram muito assertivas, como o credenciamento na Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial – Embrapii”, disse Anderson Soares.

A UFG se destaca como pioneira na criação do bacharelado em Inteligência Artificial no Brasil. Quarenta estudantes ingressaram, em 2020, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), e desde então participam do desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores.


“Esses estudantes recebem bolsas de R$ 600 a R$ 3 mil. Os projetos de grande porte do Ceia possuem tarefas de pequena a grande complexidade que podem ser distribuídas desde a alunos ingressantes a alunos de doutorado”, comenta o reitor da universidade, Edward Madureira.

Além da imersão dos alunos nos projetos de inovação, o reitor explica que a UFG iniciará uma nova fase de investimento em infraestrutura. Ele revela que será adquirido mais um supercomputador de alto desempenho para IA, o segundo em menos de três anos. Comemora ainda que a Escola de Engenharia passará por reforma para abrigar o primeiro laboratório de veículos autônomos sobre a plataforma de carros elétricos.

“O Brasil tem laboratórios deste tipo, mas para veículos mecânicos e à gasolina”, explica.

Para Edward Madureira, o Ceia traz um ambiente de grandes oportunidades de inovação e pesquisa que podem alavancar soluções tecnológicas e o desenvolvimento cada vez maior dessa área no Estado.

“A UFG é pioneira e continua com o grande desafio e missão de que o curso de Inteligência Artificial concilie a formação sólida que oferecemos tradicionalmente com um modelo em que o conhecimento tenha conexão rápida com os problemas práticos”, comentou o reitor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s